Plano de Actividades

0

A Prevenção Primária refere-se à totalidade das intervenções que se situam a montante dos consumos, visando a análise das variáveis que contribuem para o eclodir da disfunção, contribuindo para que esta não ocorra. Assim, a prevenção primária concretiza-se na implementação de iniciativas tendentes a modificar e a melhorar a formação integral e a qualidade de vida dos indivíduos, fomentando o auto-controlo e a resistência perante a oferta de drogas.

Nesta linha, os objectivos mais importantes da Prevenção são:

  • Promover os factores de protecção dos indivíduos e reduzir a influência dos factores de risco;
  • Intervir sobre as causas do mau estar individual, facilitando a possibilidade de cada um conduzir a sua vida com responsabilidade e autonomia face às múltiplas oportunidades de situações;
  • Promover condições sociais facilitadoras de alternativas de vida saudáveis;
  • Promover o crescimento pessoal, social e afectivo dos indivíduos através da aquisição de competências pessoais e sociais.

Ao nível da intervenção em Programas de Prevenção Primária é condição indispensável a presença das seguintes variáveis:

  • A Prevenção deve ser uma atitude manifestamente pró-activa, em que não só se antecipa mas também se reconhece a ocorrência de uma situação específica e se procura por meio de algumas acções evitar a verificação da sua existência futura ou presente;
  • Deve ser focalizada, ou seja, dirigida a determinadas populações. Um dos requisitos estruturais de prevenção consiste na orientação da intervenção para “grupos sociais”, especificamente para grupos que evidenciem maior risco, ou seja, os que apresentam vulnerabilidade específica para iniciar consumos de drogas;
  • Deve ser marcada pela intencionalidade, na medida em que o seu foco essencial é o de fortalecer a adaptação e o funcionamento saudável, reduzindo a incidência e prevalência do desajustamento;
  • Deve ter em conta o princípio da continuidade, da autonomia, e da “normalização” nas práticas sociais;
  • Deve ser sujeito à sua própria avaliação de forma a examinar os seus efeitos e a testar a sua eficácia.